36

A UTFPL está de parabéns!

Faz, na presente data, precisamente um ano que representantes de oito associações nacionais de treinadores de sete países lusófonos tiveram a ousadia e o atrevimento de constituir aquela que foi, e que continua a ser, a primeira associação intercontinental de treinadores de futebol do mundo.

No dia 18 de setembro de 2019, em Rio Tinto, Gondomar, Portugal, a Associação Nacional dos Treinadores de Futebol («ANTF»), Portugal; a Associação dos Treinadores de Futebol de Angola («ATEFA»), Angola; a Associação Brasileira de Treinadores de Futebol («ABTF»), Brasil; a Associação de Treinadores de Futebol de Cabo-Verde («ATFCV»), Cabo-Verde; a Associação de Treinadores de Futebol de Moçambique («ATFM»), Moçambique; a Associação Nacional dos Treinadores de Futebol da Guiné-Bissau («ANTFGB»), Guiné-Bissau; a Associação dos Treinadores da Guiné-Bissau («ATG»), Guiné-Bissau; e a Associação Nacional dos Treinadores de Futebol de S. Tomé e Príncipe («ANTFSTP»), por escritura pública, constituíram a “União dos Treinadores de Futebol dos Países Lusófonos” (UTFPL).

Desde então, estas oito associações de treinadores, reunidas em torno da UTFPL, não mais pararam, dando um exemplo que, apesar de separados por oceanos e mares, é possível a união dos treinadores de futebol e futsal lusófonos.

Efetivamente, neste primeiro ano de existência, a UTFPL, lançando mão das vantagens que a tecnologia da informação é capaz de proporcionar, entre outras iniciativas, organizou aulas online, bem como laçou a primeira ação de formação, com preletores de referência.

Acresce que, fruto do reconhecimento da importância que a nossa “União” desde muito cedo assumiu no panorama desportivo internacional, foi a mesma convidada a marcar presença, o que aconteceu, no 40.º Simpósio da Aliança Europeia das Associações dos Treinadores de Futebol (AEFCA), em Varsóvia, Polónia; na 4.ª Reunião da Confederação Lusófona de Treinadores (CLT), em Lisboa, Portugal; e no Fórum de Treinadores Latino-Americanos, organizado pela Associação de Treinadores de Futebol Latino-Americanos (ALEF).

Queriamos e sentiamo-nos capazes de mais, de muito mais, mas o cenário pandémico por COVID-19, à semelhança do que sucedeu em todas as áreas de actividade à escala global, obrigou-nos a adiar as reuniões ordinárias de Direção e da Assembleia-Geral da UTFPL, agendadas para os meses de Fevereiro, em Luanada, Angola, e de Setembro, no Rio de Janeiro, Brasil.

De igual modo, fomos compelidos a adiar a reunião que pretendemos realizar com a FIFA, o que sucederá o mais rapidamente possível, assim o permitam as condições de salubridade pública.

Mas se, por um lado, fomos forçados a adiar algumas das nossas atividades previamente agendadas, por outro, as fortes restrições impostas pela COVID-19 obrigaram-nos a reinventarmo-nos! Sem nunca baixar os braços, vimos nas dificuldades uma possibilidade de conectar, promover a união, o intercâmbio de conhecimento e experiências, mais uma vez e sempre, entre os treinadores lusófonos!

Desta feita, no dia 24 de abril, em plena crise pandémica, lançamos uma série de seminários online, com uma cadência semanal e com preletores de nível internacional, dos diferentes países lusófonos que integram a UTFPL.

O sucesso da iniciativa foi por todos notado e reconhecido, o que nos levou a prolonga-la até ao dia 31 de julho.

E como uma coisa leva a outra, desafiamos as nossas associadas a organizarem internamente idênticos seminários, desafio que foi aceite e exemplarmente desenvolvido pelas mesmas, promovendo-se assim a consciência de classe que deve existir entre os treinadores.

Podíamos ter ficado por aqui, mas não era a mesma coisa!

Resilientes e lutadores, encetamos contactos com países e regiões administrativas que, tendo o português como língua oficial, ainda não integram a “União”. Foi o caso de Macau e Timor Leste.

Temos a forte expectativa e o desejo de, muito em breve, vermos aumentado o número de associações de treinadores que integram a UTFPL.

Tudo isto apenas foi possível, e continua a ser possível, porque independentemente do cargo ou função de cada um, TODOS quanto integram os órgãos sociais da UTFPL ou que, não os integrando, como a UTFPL se relacionam, SEMPRE dizem SIM aos desafios, estando em permanente estado de prontidão para “o que der e vier”!

Como alguém disse um dia, “as associações são aquilo que quem as lidera lhes emprega e dá”!

Como Presidente da União dos Treinadores de Futebol dos Países Lusófonos é para mim motivo de grande orgulho e de enorme satisfação pessoal a resiliência e o altruísmo que o Fernando Pires (Brasil), o Zeca Amaral (Angola), o Rogério Mariani (Moçambique), o Humberto Bettencourt (Cabo Verde), o Edison Bragança Dias (São Tomé e Príncipe), o Altair Gomes (Guiné-Bissau), o Herculano Cubaba (Guiné-Bissau), o Flávio Almeida (Brasil), o Domingos Inguila (Angola), o Manuel Gomes (Prof. Neca – Portugal), o Ricardo Balbeira (Portugal) e o Sérgio Araújo (Portugal), dão à UTFPL e à sua causa: a luta pela dignificação da carreira de treinador à escala planetária.

Se em apenas um ano conseguimos tudo isto, qual será o nosso limite?

A todos o meu sincero obrigado!

José Pereira

Presidente da Direção da UTFPL

0
Tags: No tags
0

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *